iconfinder_vector_65_12_473798

Filie-se!

Junte-se ao Conselho Internacional de Psicanálise!

iconfinder_vector_65_02_473778

Associados

Clique aqui para conferir todos os nossos Associados.

iconfinder_vector_65_09_473792

Entidades Associadas

Descubra as entidades que usufruem do nosso suporte.

mundo

Associados Internacionais

Contamos com representantes do CONIPSI fora do Brasil também!

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on telegram
Share on email
O Tédio, por Gaston La Touche

artigo de Gad Saad. Você pode ler o original aqui.

Um estudo da pesquisadora Annie Britton encontrou uma ligação entre o tédio e uma probabilidade maior de se morrer.

Os pesquisadores analisaram as respostas dos indivíduos a uma questão de aborrecimento decorrente de dados secundários que haviam sido coletados em duas fases na década de 1980 (n = 7.524). A questão exata era até que ponto um indivíduo se sentia entediado nas últimas quatro semanas em uma escala de quatro itens: “nada”, “um pouco”, “bastante”, “o tempo todo”. Os entrevistados da pesquisa também forneceram informações sobre sua idade, sexo , autoavaliação de saúde (‘Média ou melhor’ ou ‘Pior do que a média’), nível de emprego (alto, médio, baixo) e atividade física (nenhuma / leve, moderada ou vigorosa). Usando um sistema de marcação, os pesquisadores foram capazes de combinar essas respostas com os dados de mortalidade até abril de 2009 (ou seja, mais de 20 anos após a coleta dos dados originais do tédio). Os incidentes cardiovasculares fatais, nomeadamente uma sub-porção dos dados de mortalidade, também foram analisados. As taxas de risco foram calculadas para avaliar a extensão em que o maior tédio pode estar associado a uma maior probabilidade de mortalidade. Vou relatar algumas das principais descobertas:

images%2Fslides%2F06_5
O Apreciador de Cactus, Carl Spitzweg

1) Os que relataram ter tido muito aborrecimento durante a fase 1 do processo de coleta de dados tinham uma taxa de risco de mortalidade cardiovascular de 2,53 (usando o grupo “não em todos” como a linha de base com uma razão de risco de 1). Em outras palavras, os que afirmaram que sentiram mais tédio tinham uma probabilidade muito maior de morrer de um incidente cardiovascular do que aqueles que não sentiram nem um pouco.

images%2Fslides%2F01_6
Duas Passadeiras, Egar Degas

2) Claramente, não é o tédio que está levando as pessoas a morrerem. Entre as muitas explicações possíveis  é que os que sentiam grande tédio podem ser apáticos quanto à implementação de escolhas de vida saudáveis, como a prática de atividade física. É digno de nota que os pesquisadores descobriram que aqueles que relataram maior tédio na fase 1 também afirmaram que tinham pior saúde do que a média e estavam engajados em menor atividade física.

Parece, portanto, que existe alguma validade epidemiológica para a expressão “estou morto de tédio”!

 

Fonte:

http://www.slate.com/articles/arts/culturebox/2011/06/you-look-bored.html

star-line-clipart-22
Editorial

Colunista do Conselho Internacional de Psicanálise.

Opinião

Seja seu Próprio Herói.

Por Andrew Klavan. Leia o artigo completo no Daily Wire. [George] Lucas, você sabe, incorporou outras influências. O grande cineasta japonês Akira Kurosawa fazia parte de

Leia Mais »